Início Comunidades Nova plataforma de artistas lusófonos nasce em Paris para quebrar “as redes...

Nova plataforma de artistas lusófonos nasce em Paris para quebrar “as redes de sempre”

67
0
A Luso – Plataforma de Arte.Cultura.Língua Portuguesa vai promover encontros entre artistas portugueses, brasileiros, moçambicanos e franceses em Paris de modo a divulgar o seu trabalho e criar novas oportunidades em França.

“A plataforma é um espaço de encontro entre artistas. Vivendo entre Portugal e Paris, sinto que há um conjunto de artistas que vivem em Paris que não estão representados em certos contextos e também outros que vivem noutros sítios e não tinham oportunidade de mostrar aqui o seu trabalho. A ideia é internacionalizar e dar a conhecer o seu trabalho em Paris”, afirmou à agência Lusa João Costa Espinho, coreografo e fundador deste projeto.

João Costa Espinho diz que há uma certa “desilusão” em relação à cena artística portuguesa em Paris e que esta nova iniciativa serve para quebrar as redes tradicionais de programação cultural. “Há uma desilusão em relação à cena artística porque são sempre os mesmos artistas, sempre as mesmas redes. E há aqui pessoas que nunca vão ter acesso a certos meios”, afirmou o coreografo.

A plataforma vai ter a sua edição 0 já de 10 a 20 de janeiro com diversos eventos ligados à dança, teatro ou música, em espaços artísticos em Paris e nos arredores, como a Maison du Portugal na Cidade Internacional Universitária de Paris ou a delegação da Fundação Calouste Goulbenkian em Paris, mas também o Cent Quatre – que acolheu recentemente uma exposição do artista português Vhils.

Quase duas dezenas de artistas, alguns vindos de Portugal e outros que já vivem e trabalham na capital francesa, vão partilhar durante esses 10 dias as suas experiências, apresentar-se ao público francês, mas também a programadores e coordenadores artísticos a quem foram feitos convites.

“Os convites não foram feitos de forma intensa, mas chegámos a cerca de 30 programadores. A ideia é que os artistas possam encontrar uma porta de divulgação do seu trabalho, até porque [no caso de] alguns é a primeira vez que vêm a Paris e também querem conhecer diferentes espaços. Espero que possamos criar parcerias futuras”, acrescentou João Costa Espinho.

Esta é uma das esperanças dos bailarinos Solange Melo e Fernando Duarte, que estarão em Paris esta semana para participar na plataforma e apresentar o seu espetáculo “Tudo quanto vi – um poema coreográfico para Sophia”. “Uma vez que esta plataforma acontece em internacionalização e que o nosso país está na boca do Mundo, é bom que possamos mostrar para além das ofertas convencionais em termos de arte e cultura”, considerou Fernando Duarte, em declarações à Agência Lusa.

Esta é a primeira vez que os dois artistas vão mostrar o seu trabalho na capital francesa e consideram que “há potencial para que a plataforma se desenvolva” e que passe a figurar no calendário cultural como “algo de novo na arte contemporânea”, como indicou Solange Melo.

Com artistas em diferentes nacionalidades – portugueses, brasileiros, moçambicanos e franceses – e ligados a diversas áreas nas artes, mais do que a língua, o que liga estes artistas é a cultura portuguesa nas suas diferentes manifestações.

“O que fez sentido para enriquecer esta plataforma foi abri-la, não tendo só artistas de Portugal, e ter como elo de ligação a língua portuguesa e a lusofonia, mesmo que esses não sejam sempre os focos principais das performances ou dos trabalhos apresentados”, acrescentou João Costa Espinho.

Marie Plantin, bailarina, escritora e atriz, que integra a plataforma é um dos exemplos desta ligação. Após um convite anterior do coreografo português para outro projeto, a francesa descobriu a música portuguesa e, através dela, o mundo lusófono. “Eu estou um pouco deslocada neste grupo. Eu não sou portuguesa, não tenho qualquer ligação a Portugal, mas encontrei o João Costa Espinho e ele fez-me um convite há uns meses que me levou a descobrir a música portuguesa. Eu dei um passo para Portugal através da sua música, com Madredeus e Dulce Pontes”, disse à Lusa.

Com dois meses de preparação, a plataforma conta apenas com um apoio financeiro do Arte Institute, em Nova Iorque, que servirá para pagar a alimentação dos artistas na capital, e os apoios institucionais da Fundação Calouste Gulbenkian e da Maison du Portugal, sendo que mesmo o alojamento será feito em casa de outros artistas. No entanto, e sendo a edição 0 deste projeto, a falta de apoios não desencorajou a organização.

“Não íamos ficar reféns da falta de apoios. Mas claro que seria ótimo conseguir mais financiamento para a plataforma, especialmente para as deslocações dos artistas que vêm de fora de Paris”, afirmou João Costa Espinho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.