Início Culturas Cinema França: “Diamantino” estreia em 30 salas

França: “Diamantino” estreia em 30 salas

104
0

“Diamantino”, a primeira longa-metragem de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, estreia na quarta-feira em França, em 30 salas por todo o país.

Abordando temas transversais como “o crescimento da extrema-direita, a crise dos refugiados ou as fronteiras de Trump [Presidente dos Estados Unidos da América]”, os realizadores esperam que esta obra premiada traga “muita gente” para ver o filme.

Hoje à noite, o filme teve a sua primeira sessão comercial lotada num cinema da capital, Paris, levando a audiência às gargalhadas em muitos momentos do filme.

“Eu quero que muita gente venha ver o filme. Eu e o Daniel, o correalizador, tentámos que o filme tivesse piada e um personagem principal, o Diamantino, que nos tocasse de alguma maneira”, disse Gabriel Abrantes, correalizador do filme, em declarações à Lusa antes da ante-estreia.

“Diamantino” venceu em maio o Grande Prémio da Semana da Crítica do Festival de Cinema de Cannes.

O filme, que estreará em Portugal em 2019 ainda sem uma data definitiva, conta a história de Diamantino, interpretado pelo ator Carloto Cotta, uma superestrela do futebol mundial, cuja carreira cai em desgraça.

Sobre a transposição para filme de uma realidade tão portuguesa, o realizador luso-americano considera que o país onde a longa-metragem é vista não é importante, já que trata de “questões relevantes” para todos.

“O filme fala sobre a Europa, sobre os Estados Unidos, sobre o crescimento da extrema-direita, a crise dos refugiados, Trump a fazer fronteiras. Metemos isso tudo em Portugal. Fala sobre questões relevantes e não importa muito onde está a ser visto”, afirmou Gabriel Abrantes.

Estreando em França, há a possibilidade de o filme ser visto pela comunidade portuguesa e, apesar de ser uma paródia com coisas que os portugueses levam muito a peito, o realizador espera que as pessoas se apaixonem por Diamantino.

“O filme, na superfície, parece que está a gozar com coisas que os portugueses levam muito a peito, mas não está. O Diamantino é um personagem muito diferente, que tem algumas referências a um lado mais superficial de um ícone futebolístico português, mas é também um personagem que gera muita empatia. Ao longo do filme ficamos mais e mais apaixonados pelo Diamantino”, assegurou Gabriel Abrantes.

O realizador português mantém uma relação com França, onde estudou e trabalhou.

“Tenho uma relação de longa data com este país, também de apreciação cultural. Este filme, por exemplo, é muito inspirado no “Candide de Voltaire”, disse o realizador.

Gabriel Abrantes está agora a terminar uma curta-metragem, gravada no Louvre, “sobre uma escultura que foge do museu porque está farta de ser só um objeto e quer ser ativa politicamente”, esperando estreá-la em Cannes.

“Diamantino” foi recentemente nomeado para os Prémios Europeus de Cinema (European Film Awards – EFA), na categoria Comédia Europeia, que serão entregues em 15 de dezembro, em Sevilha, Espanha.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.