Início Conflitos Milhares juntam-se no centro de Berlim contra o racismo e xenofobia

Milhares juntam-se no centro de Berlim contra o racismo e xenofobia

77
0
Milhares de pessoas, de várias idades e nacionalidades, protestam esta tarde no centro de Berlim contra a xenofobia, o racismo e as desigualdades sociais.

Pouco passava do meio dia e meia (menos uma hora em Lisboa), quando Nadia Dubrowska tenta encaixar, numa carruagem de metro cheia, um cartaz pintado à mão com um coração a vermelho.

A caminho de Alexanderplatz, ponto de encontro, vai explicando à filha, em polaco, os motivos da manifestação desta tarde.

Já numa das principais praças da cidade de Berlim, no antigo lado leste, milhares de pessoas vão-se juntando com bandeiras e t-shirts de várias cores. A polícia vai vigiando, enquanto a música se vai espalhando por todos os cantos.

É debaixo de um monumento conhecido da cidade que um grupo de brasileiras se concentra e vai tocando tambores e jambés. Debaixo do Weltzeituhr (relógio mundial), precisamente onde aparece o fuso horário do Rio de Janeiro, Renata Mota chega com a filha de três anos.

“Vim manifestar-me pela democracia e contra o fascismo no Brasil, nas próximas eleições. Não só nas eleições, mas contra o clima de intolerância e de violência contra as minorias, as diferenças, os negros, as mulheres, os homossexuais, os pobres”, realça esta brasileira a viver em Berlim.

“Acho que é importante para a minha filha ver o mundo e participar neste momento histórico. Por enquanto ela ainda só está a olhar para os balões, ainda não entendeu bem, mas eu disse-lhe que vamos lutar pela democracia no Brasil e no mundo”, sublinha Renata Mota, que traz um cartaz com a frase “Für die brasilianische Demokratie” (pela democracia brasileira).

Joanne Clark, quase com 70 anos, é norte-americana e pertence ao movimento “American Voices Abroad”.

“Sou contra o racismo e a intolerância, acho que isso tem de acabar. Não gosto nada de estar no meio de grandes multidões, mas não tinha outro remédio, tinha que fazer algo”, sublinha Joanne Clark, a viver na capital alemã desde 1956.

“Isto também é uma mensagem direta para Trump, que inventou uma verdade própria, uma realidade que lhe convém só a ele”, remata.

“Por uma sociedade aberta e livre: solidariedade, não exclusão”, é o mote do protesto organizado pelo movimento #unteilbar (que pode ser traduzido como “inseparáveis” ou “todos juntos”).

A manifestação reúne o apoio de várias organizações cívicas, partidos de esquerda e sindicatos.

Para Jairo Ferreira, guia turístico, “é normal existirem concentrações em Berlim, mas não deste tamanho”.

A viver em Berlim há três décadas, vai explicando a um casal porque é o trânsito no centro da cidade está praticamente todo cortado ou desviado.

Kaia Santro integra um grupo com cerca de vinte mulheres, todas vestidas de preto e rosa, com o nome de um clube de futebol nas costas.

“Costumo participar em várias manifestações, para mostrar que há muitas pessoas contra o racismo e a xenofobia, para garantir que somos notados”, sublinha a berlinense de 31 anos.

“É péssimo que a AfD [Alternativa para a Alemanha], partido de extrema-direita, tenha tanto impacto e consiga ter tanto espaço para dizer e mostrar aquilo que pensa, mensagens de ódio que são completamente contra a nossa constituição”, sublinha a jogadora no “Discover Football Kreuzber — DFC Kreuzberg, um clube de futebol feminino.

Dentro da manifestação há vários grupos organizados, desde a Amnistia Internacional, passando pelo sindicato dos taxistas.

Em declarações à Lusa, Anna Spangenberg, porta-voz da organização, sublinhou que espera que esta manifestação “contra a extrema-direita e a favor de uma sociedade solidária e aberta, seja a maior do ano em Berlim”.

A organização revelou na quarta-feira esperar reunir cerca de 40 mil pessoas num protesto que deverá terminar pelas 21 horas em Berlim (uma hora menos em Portugal continental).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.