Início Atualidade Tony Awards: Harry Potter, “Anjos na América” e palavrão de Robert De...

Tony Awards: Harry Potter, “Anjos na América” e palavrão de Robert De Niro dominam cerimónia

127
0

Peças baseadas em filmes foram um destaque da cerimónia que homenageou os melhores do teatro nos EUA.

“Harry Potter and the Cursed Child”, que prolongou a história da saga “Harry Potter” de J.K. Rowling, ganhou seis prémios Tony, incluindo o de Melhor Peça, na noite de homenagem aos melhores espectáculos de teatro nos EUA.

A cerimónia realizou-se no domingo à noite no Radio City Music Hall, em Nova Iorque.

“The Band’s Visit” foi o grande vencedor, com 10 prémios, incluindo o de Melhor Musical e para os atores Tony Shalhoub (conhecido pela série “Monk”), Katrina Lenk e Itamar Moses (este último como secundário. Trata-se de uma adaptação do filme “A Visita da Banda” (2007), de Eran Kolirin, sobre uma banda de música egípcia que vai parar por engano a uma isolada aldeia em Israel.

Uma nova versão de “Anjos na América”, de Tony Kushner, ganhou na respetiva categoria e ainda pelas interpretações dos atores Andrew Garfield e Nathan Lane.

Com 82 anos e 30 após o último prémio e uma pausa na carreira para se dedicar à política, Glenda Jackson foi considerada a melhor atriz dramática por “Edward Albee’s Three Tall Women”, que também valeu um prémio secundário à colega Laurie Metcalf (da série “Rosanne”).

Uma atuação de “Seasons of Love”, do musical “Rent”, pelos estudantes da escola de Parkland, na Flórida, que sobreviveram ao massacre a 14 de fevereiro, foi um momento comovente da cerimónia que deixou as estrelas de pé.

A polémica de Robert De Niro

A polémica ficou por conta de Robert De Niro, um feroz opositor do atual presidente norte-americano.

Antes de apresentar uma atuação de Bruce Springsteen (que recebeu um prémio especial por um espetáculo na Broadway) e assim que entrou em palco começou com “Vou dizer uma coisa: o Trump que se f***””.

O lendário ator levantou a seguir os braços em desafio ao mesmo tempo que o público o aplaudia e se colocou de pé.”Já não é abaixo o Trump. É o Trump que se f***”, acrescentou, o que foi recebido ainda com mais entusiasmo.

Os palavrões foram censurados pela estação CBS, mas não pela retransmissão na televisão australiana.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.