Início Atualidade Satélite europeu dos ventos que vai para o espaço em agosto tem...

Satélite europeu dos ventos que vai para o espaço em agosto tem tecnologia portuguesa

34
0

Duas empresas aeroespaciais portuguesas, a LusoSpace e a Omnidea, participam na construção do satélite europeu Éolo que será lançado para o espaço em 21 de agosto para estudar os ventos da Terra.

A LusoSpace concebeu os dois magnetómetros do satélite que, segundo o diretor-executivo da empresa, Ivo Yves Vieira, “serão os primeiros instrumentos a serem usados a seguir ao lançamento”.

“São elementos muito críticos que devem funcionar na perfeição de modo a dar medidas fiáveis da orientação do satélite e, assim, permitir que estabilize os painéis solares para o Sol e as antenas de comunicação para a Terra”, explicou à Lusa.

Por definição, um magnetómetro é um instrumento que é utilizado para medir a intensidade, a direção e o sentido de campos magnéticos. Com ele, é possível fazer o mapeamento do campo magnético da Terra em detalhe.

A Omnidea produziu e testou as válvulas que asseguram a limpeza da componente ótica do Aladin, o principal instrumento do satélite, adiantou à Lusa o diretor-geral, Nuno Fernandes. O instrumento está equipado com um telescópio e um ‘laser doppler’.

O satélite, batizado com o nome de Éolo, o guardião dos ventos na mitologia grega, será lançado a bordo de um foguetão Vega da base espacial europeia de Kourou, na Guiana Francesa.

Segundo a Agência Espacial Europeia (ESA), o satélite dispõe de tecnologia ‘laser’ de ponta que irá permitir medir os ventos terrestres e obter informações sobre as nuvens, ao descer aos 30 quilómetros mais baixos da atmosfera.

O engenho irá disparar pulsos de luz ultravioleta (invisível) na atmosfera da Terra, um método considerado inovador para estabelecer o perfil de ventos a partir do espaço.

Os dados recolhidos quase em tempo real vão, de acordo com a ESA, melhorar a compreensão de como a atmosfera funciona, contribuir para a investigação sobre as alterações climáticas e ajudar na previsão meteorológica de fenómenos extremos como furacões ou o El Niño.

Atualmente, a informação sobre os ventos é obtida a partir de balões meteorológicos, instrumentos em terra, aeronaves, rastreamento do movimento das nuvens e instrumentos de satélite que medem o vento próximo da superfície dos oceanos, refere num comunicado a ESA, que esta semana mostrou o Éolo na sala de descontaminação da empresa construtora Airbus, em Toulouse, França.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.