Início Culturas Dança Bienal de Dança de Veneza entrega Leão de Prata a Marlene Monteiro...

Bienal de Dança de Veneza entrega Leão de Prata a Marlene Monteiro Freitas

435
0

A entrega do Leão de Prata da Bienal de Dança de Veneza à coreógrafa cabo-verdiana Marlene Monteiro Freitas, em reconhecimento pela sua carreira, marca o calendário de hoje do festival, que encerra no próximo domingo.

O prémio é entregue a Marlene Monteiro Freitas depois da estreia italiana do espetáculo “Bacantes – Prelúdio para uma purga”, estreado em abril do ano passado, no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa.

Nascida em 1979, em São Vicente, Cabo Verde, Marlene Monteiro Freitas é um “presença eletrizante”, detentora de “um poder dionisíaco”, nas suas produções, destacou a Bienal, quando anunciou a atribuição do prémio de carreira à bailarina e coreógrafa, no passado mês de janeiro.

Publicidade

Marlene Monteiro Freitas cofundou em Lisboa a estrutura cultural P.O.R.K, com a qual assinou coreografias como “Paraíso-coleção privada (2012-13) e “marfim e carne — as estátuas também sofrem” (2014), entre outras obras.

Em entrevista à Lusa, depois da atribuição do pémio, a coreógrafa explicou que, no seu processo de trabalho – cheio de referências de várias áreas artísticas -, lhe interessa “deformar algo para chegar a outra coisa”, e que, “para chegar a uma metamorfose, é preciso haver forçosamente uma transgressão”.

“O meu objetivo não é a transgressão em si, mas usá-la para atingir a metamorfose”, justificou.

Outro aspeto importante nas suas motivações é o lado emocional de uma obra coreográfica.

“Claro que a narrativa é importante, mas interessa-me mais ter uma relação emocional com o público do que o reconhecimento de uma história na coreografia”, apontou, sublinhando que dá também particular relevância à relação direta entre o bailarino e o público.

Em “Bacantes – Prelúdio para uma purga”, que tem hoje estreia italiana, o ponto de partida é o mundo moral e estético de Eurípides, com apelo a fatores comuns à sua obra – “a abertura, a impureza, a intensidade” -, com o ojetivo de impor um “autêntico combate de aparências e dissimulações”.

“Em Eurípides, está presente o delírio e o irracional. Manifesta-se a ferocidade e o desejo de paz, a selvajaria e a aspiração a uma vida simples. Encontram-se, no seu texto, direções contraditórias, elementos que chocam, corpos íntegros que se desmembram e crenças testadas ao limite. Este é o mundo, moral e estético, que o autor convida a percorrer”, lê-se na apresentação da obra.

Estreada no ano passado, em Lisboa, no Teatro Nacional D. Maria II, em associação com o festival Alkantara e o Festival das Artes de Bruxelas, “Bacantes” contou ainda com apoio do Festival de Dança de Montpellier, do centro de desenvolvimento coreográfico Le Cuvier, d’O Espaço do Tempo, de Montemor-o-Novo, do Teatro Municipal do Porto e do Programa Cultura da União Europeia.

O festival belga, na apresentação da obra, disse que Marlene Monteiro Freitas é “uma das maiores descobertas da atual cena internacional”, capaz de “fascinar audiências com a sua linguagem de abundante vitalidade, o seu imaginário forte e a riqueza de referências” que detém.

A Bienal de Dança de Veneza encerra no próximo domingo. Nesta edição, foi igualmente homenageada a coreógrafa norte-americana Meg Stuart, com a atribuição do Leão de Ouro de Carreira, conhecida do público português por criações como “Running”, “Violet”, “Hunter” ou “Blessed”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.