Início Ambiente Tomar e Ourém comprometem-se a identificar pontos de descarga públicos no Nabão

Tomar e Ourém comprometem-se a identificar pontos de descarga públicos no Nabão

289
0

As câmaras de Tomar e de Ourém comprometeram-se a identificar, nos próximos 30 dias, todos os pontos da rede pública que possam estar a descarregar para o rio Nabão, disse hoje à Lusa a presidente do município nabantino.

“Temos que descartar se existe ou não alguma infraestrutura pública a causar algum foco de poluição” no rio, disse Anabela Freitas à Lusa, num balanço da reunião realizada na segunda-feira com o município de Ourém e a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) para a definição de uma estratégia de atuação que trave os episódios de poluição no Nabão.

Dessa reunião saiu a decisão de os dois municípios criarem um grupo de trabalho para a realização desse levantamento, informação que se juntará aos 12 pontos de descarga já identificados ao longo de todo o curso do rio, disse.

A autarca adiantou que serão analisadas estações de tratamento de águas residuais (ETAR), mas também a possibilidade de haver águas pluviais a drenar para os sistemas de saneamento, que, em carga, acabam por drenar para o rio, o que, a acontecer, obrigará a um investimento na separação das redes.

Da reunião saiu igualmente a decisão de, com a APA, serem identificados e verificados outros pontos, de privados, que se possam juntar aos já conhecidos.

Só depois de concluído este levantamento, as três entidades estarão em condições de delinear “estratégias de atuação”, nomeadamente a possibilidade de obras nos sistemas de saneamento que estejam a receber águas pluviais, disse.

Anabela Freitas adiantou que, quanto ao foco de poluição detetado no passado dia 01, e que originou uma queixa apresentada pelo município, os resultados de todas as análises recolhidas, tanto a pedido da Câmara como as feitas pela APA (estas em dois momentos, nos dias 02 e 05), só deverão ser conhecidos no final da semana.

Os primeiros resultados, de análises “mais simples” que precisarão ser precisadas, apontam para uma concentração elevada de coliformes fecais, desconhecendo-se ainda se de origem humana ou animal.

A autarca admite que os episódios de poluição que se acentuaram desde há um ano possam ter várias origens.

A reunião de segunda-feira surgiu na sequência da audiência com o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, no dia 08, em resposta ao pedido feito pela autarca a 02 de março, dia em que apresentou queixa às entidades fiscalizadoras “face aos focos evidentes de poluição existentes no rio Nabão”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.