Início Atualidade PyeongChang2018. União, luz e cor na cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos...

PyeongChang2018. União, luz e cor na cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno

1123
0

Estão oficialmente lançados os Jogos Olímpicos de Inverno 2018. A cerimónia, em PyeongChang, na Coreia do Sul, celebrou a cultura coreana como um todo — Norte e Sul. Os dois atletas portugueses em competição desfilaram momentos antes da aguardada comitiva conjunta de atletas das duas metades da península coreana.

Pouco passava das 13:09, hora de Lisboa, quando a chama olímpica acendeu a lua que encima o Estádio Olímpico de PyeongChang, abrindo os Jogos Olímpicos de Inverno 2018.

A cerimónia começou às 20:00 (11 em Lisboa). A Coreia do Sul inaugurou os Jogos Olímpicos de Inverno 2018 com um espetáculo multimédia que caminha pela história e pela cultura do território a sul do paralelo 38. A península da Coreia está dividida pela zona desmilitarizada desde 1953, data da assinatura de um armistício, que determinou um cessar-fogo. Não tendo sido assinado um acordo de paz, os dois países continuam tecnicamente em guerra. Todavia, para estes jogos, houve uma abertura.

Publicidade

Debaixo de uma mesma bandeira, atletas do Norte e atletas do Sul desfilaram na cerimónia de abertura e vão competir com uma equipa conjunta no torneio feminino de hóquei no gelo. A delegação norte-coreana que visita o sul, num novo sinal da reaproximação entre as duas Coreias, integra a irmã do dirigente norte-coreano Kim Jong-un, que é a primeira representante da família a deslocar-se ao sul.

E é de união que fala a cerimónia. Realizada por Song Seung-whan, um ator e encenador sul-coreano, que procurou projetar uma visão de unificação e paz na península.

É certo que a união entre as duas metades do território peninsular surge numa altura em que do Norte surgem ameaças, por vezes desbragadas, a vários países do planeta. Todavia, esta não é a primeira vez que as Coreias marcham sobre a mesma bandeira. Aconteceu em Sydney, na Austrália, em 2000. Também em Atenas, na Grécia, em 2004, e em Turim, em Itália.

Assim, depois de boicotar os Jogos Olímpicos de Verão de 1988, realizados em Seul, a Coreia do Norte vai participar nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018 com 22 atletas, nas modalidades de esqui alpino, esqui nórdico, patinagem artística, velocidade e hóquei no gelo feminino.

No final da passagem das 91 comitivas, chegou, então, o momento mais aguardado da cerimónia de abertura, com as delegações da Coreia do Sul e da Coreia do Norte a desfilarem em conjunto, sob uma bandeira branca com o mapa da península coreana desenhado a azul.

Tal como havia acontecido aquando da entrada do presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e do presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, a irmã mais nova de Kim Jong-un, líder norte-coreano, cumprimentou os responsáveis sul-coreanos presentes no Estádio Olímpico de PyeongChang.

De forma simbólica, os discursos inaugurais dos responsáveis da Coreia do Sul e do COI foram feitos com a comitiva coreana por trás.

No ano passado, os sucessivos ensaios nucleares de Pyongyang e a retórica beligerante do Presidente norte-americano, Donald Trump, elevaram a tensão para níveis inéditos desde o fim da Guerra da Coreia.

A China, que é o principal aliado diplomático e maior parceiro comercial do regime norte-coreano, defende o regresso ao diálogo e propõe que Pyongyang suspenda o programa nuclear em troca do fim dos exercícios militares conjuntos entre Washington e Seul, que Pyongyang considera um treino para uma invasão.

A comitiva portuguesa, liderada por Kequyen Lam, um dos dois atletas lusos em prova – juntamente com Arthur Hanse –, foi a 82.ª a entrar no Estádio Olímpico.

Quem roubou todas as atenções foi a comitiva do Tonga — mais uma vez. Pita Taufatofua, o porta-bandeira daquele país na cerimónia inaugural dos Jogos de Inverno 2018 desafiou as temperaturas glaciares da Coreia do Sul ao desfilar em tronco nu e coberto de óleo.

Taufatofua foi um dos destaques na cerimónia inaugural dos Jogos Olímpicos de Verão em 2016 no Rio de Janeiro, com o seu traje tradicional de Tonga e exibindo o tórax musculoso, uma imagem que deu a volta ao mundo.

Mas, ao contrário do clima quente da festa no Maracanã, o atleta de 34 anos, que disputa no taekwondo, enfrentou esta sexta-feira uma temperatura de -5 graus e uma sensação térmica de -10 graus.

Destaque também para o desfile da comitiva russa, que conta apenas com atletas convidados pelo Comité Olímpico Internacional, que entrou sob bandeira neutra, depois de o país ter sido proibido de participar devido a um caso de doping sistemático apoiado pelo governo.

Mais de 2.900 atletas disputarão os 102 títulos em jogo correspondentes a sete desportos e 15 categorias, até 25 de fevereiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.