Início Culturas Exposições Todas as 85 peças da Coleção Miró exibidas pela primeira vez no...

Todas as 85 peças da Coleção Miró exibidas pela primeira vez no Palácio da Ajuda

241
0
COMPARTILHE

A Coleção Miró vai ser exibida pela primeira vez na totalidade, com as 85 obras de arte, a partir de quinta-feira, em Lisboa, no Palácio da Ajuda, onde encontrou “espaço para respirar”, segundo o comissário, Robert Lubar Messeri.

Numa visita guiada para a agência Lusa, o curador da mostra já exibida na Casa de Serralves, no Porto, entre outubro de 2016 e junho deste ano, lembrou que naquele museu não foram apresentadas sete obras por falta de espaço.

Intitulada “Joan Miró: Materialidade e Metamorfose”, a mostra recebeu em Serralves um total de 240.048 visitantes, segundo fontes da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) e da Fundação de Serralves, que organizaram conjuntamente a viagem da coleção até Lisboa.

“Devido a limitações de espaço só apresentámos 78 peças em Serralves, e na Ajuda mostramos a totalidade da coleção, porque tem mais espaço para respirar, o que é muito importante”, referiu Messeri sobre o conjunto criado pelo artista catalão proveniente do antigo Banco Português de Negócios (BPN).

O especialista mundial na obra de Miró disse à Lusa que “foi possível criar paredes e distribuir o espaço de acordo com o critério expositivo: a primeira parte prepara o público para a forma como Miró usava os materiais, por vezes pouco ortodoxos”.

“Nas salas seguintes vem a parte chamada Metamorfose, apresentada não apenas nas mudanças das figuras usadas pelo artista, mas também nos objetos, desde a colagem, a pintura e os têxteis. Miró estava sempre a testar os limites dos materiais e das suas obras”, referiu o comissário.

Relativamente às peças que não foram exibidas em Serralves, Robert Lubar Messeri disse que se trata de um conjunto de peças mais pequenas, em papel, criadas nos anos 1960 e 1970.

“São maravilhosas, mas não mostrámos porque havia limitações de espaço”, explicou, acrescentando que esta exposição é apresentada de forma temática e não cronológica.

Sobre as expectativas do interesse do público em Lisboa, Messeri disse que são maiores, porque se trata da capital: “É uma extraordinária oportunidade para o público ver a coleção Miró de forma profunda, já que abrange desde 1924 até perto de 1983, quando o artista faleceu. É uma coleção realmente muito representativa”.

Questionado pela Lusa sobre a polémica que a coleção provocou em 2014, quando o Governo da altura decidiu vendê-la, num leilão, em Londres, através da Christie’s, decisão que seria impedida por iniciativa do Ministério Público, que impediu a saída das obras do país, o comissário comentou que a opção final acabou por ser “boa para Portugal, os portugueses, e a arte moderna”.

“Tenho uma longa relação com esta coleção porque dei uma palestra sobre ela quando o Governo português tinha decidido vendê-la em leilão, e lamentei que ela pudesse ser desmantelada na sua essência, com as obras a serem vendidas separadamente”, recordou.

A coleção de Joan Miró, que ficou na posse do Estado Português após a nacionalização do BPN, em 2008, é composta por desenhos e outras obras sobre papel, pinturas com suportes distintos, além de seis tapeçarias de 1973, uma escultura, colagens, uma obra da série “Telas queimadas”, e várias pinturas murais.

Na opinião de Robert Lubar Messeri, “a maioria do povo português quer que a coleção fique no país, pois esta coleção de arte é extraordinária, uma verdadeira riqueza para Portugal, que tem atraído cada vez mais turismo internacional”.

“Miró é um dos artistas mais importantes de todos os tempos. É uma questão subjetiva em termos de avaliação, mas na arte do século XX, os três maiores artistas são Picasso, Matisse e Miró. Ao ter mantido a coleção, Portugal fica colocado como um país que apoia a arte moderna e contemporânea”, sublinhou.

No final de setembro do ano passado, a Câmara Municipal do Porto anunciou que aquela coleção de arte iria permanecer na Casa de Serralves, depois de o primeiro-ministro, António Costa, ter revelado que o seu destino permanente seria a cidade do Porto.

A exposição, que inaugura a 07 de setembro na Galeria D. Luís I do Palácio da Ajuda, abrindo ao público no dia seguinte, é organizada conjuntamente pelo Ministério da Cultura, através da Direção-Geral do Património Cultural, e pela Fundação de Serralves.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here