Início Ambiente Chimpanzés bebés salvas de traficantes vivem presas e às vezes com fome...

Chimpanzés bebés salvas de traficantes vivem presas e às vezes com fome na Guiné-Bissau

308
0
COMPARTILHE

As autoridades guineenses não sabem o que fazer com duas chimpanzés bebés resgatadas das mãos de traficantes: falta-lhes liberdade e às vezes comida.

A espécie está em risco de desaparecer do planeta e há quem tente salvar estes dois exemplares, mas é a primeira vez que se trata de um processo do género na Guiné-Bissau.

Bô está enjaulada na sede do parque natural em vez de regressar à natureza e Bela vive ao cuidado das autoridades com uma corda ao pescoço.

A primeira a nascer foi Bô, resgatada há dois anos das mãos de suspeitos de tráfico de droga e hoje a viver presa numa cela improvisada numa torre de água.

Ninguém a quer ver assim, mas também ninguém foi capaz de organizar a transferência para uma reserva no Quénia, o Sweetwaters Chimpanzee Sanctuary, que já aceitou recebê-la.

Bô está entregue ao Instituto da Biodiversidade e Áreas Protegidas (IBAP) da Guiné-Bissau por mero acaso.

“Não temos competências para acolher animais resgatados”, diz Aissa Regalla de Barros, dirigente do IBAP. “Aconteceu naturalmente”. O instituto “foi quem chegou primeiro” ao animal.

Um guarda do Parque Natural de Cantanhez, sul da Guiné-Bissau, recuperou a Bô no final de 2014, alegadamente depois de um caçador matar a mãe e antes que a cria fosse vendida a redes de tráfico.

Na altura deram-lhe o nome de Tagara e o que se seguiu foi uma série de boas vontades, mas nunca a ajuda de que ela precisava.

A chimpanzé começou por viver na casa do técnico que a salvou, integrada numa família humana, na capital guineense, depois foi tentada a reintegração nas florestas de Cantanhez, mas os chimpanzés nativos não mostraram interesse nela, e por fim foi transferida para o Parque Natural das Lagos de Cufada onde está enjaulada por mau comportamento.

“Eu sinto-me mal ao vê-la assim”, mas não houve outro remédio, lamenta Joãozinho Mané, diretor do parque: rejeitada na floresta, indesejada entre humanos, a bebé “foi ficando mais irrequieta”, conta.

Ali em Buba mudaram-lhe o nome. Agora chama-se Bô, a chimpanzé que chegou em 2015 e que tanto entrava nas casas da vila, como no quartel e pegava no encontrava.

Hoje, quando um visitante se aproxima, ela olha-o nos olhos e estende a mão para fora das grades. Cumprimenta e acaricia a face de quem chega perto. Agarra qualquer comida que lhe seja oferecida.

“O dia-a-dia dela está um pouco mais duro”, relata Joãozinho Mané. Ele e um colega do parque pagam do bolso a comida da Bô, mas nem sempre dá para comprar tudo o que lhe faz falta.

Às vezes, “ela fica com fome, sofre muito. Isso é duro para ela e para nós também”.

Aissa ainda tem esperança numa transferência bem-sucedida para o Quénia, mas reconhece que faltam recursos e leis para a Guiné-Bissau poder responder a todas as exigências veterinárias e processuais que acabem com a prisão.

Carla Sorneta e Helena Foito dos Santos são duas portuguesas residentes em Bissau que se envolveram pessoalmente no caso.

“O processo tem sido extremamente lento aqui na Guiné-Bissau”, lamenta Carla que reconhece que o seu entusiasmo inicial já lá vai.

“No Quénia a situação resolveu-se rapidamente”, mas os “grandes entraves” surgem na casa de Bô, porque “não há ninguém que se responsabilize por pôr em prática” os procedimentos necessários à viagem da chimpanzé.

Mas as limitações não se encontram só ao nível da Guiné-Bissau: “os próprios programas da União Europeia (UE) defendem tudo o que é conservação ‘in sito’, mas também não sabem muito bem como abordar situações de animais resgatados”.

Bela é uma outra chimpanzé bebé que também terá sido resgatada de traficantes e que há oito meses vive presa com uma corda ao pescoço, agarrada a um tronco, à beira do que dizem ser o posto da guarda florestal de Mampata, na estrada entre Buba e Quebo, no sul da Guiné-Bissau.

Três mulheres sentadas no chão, ao ar livre, comem arroz cozido de uma grande tigela e salpicam o chão à volta de Bela que disputa cada grão com galinhas que por ali esgravatam a terra.

Bela passa os dias confinada ao pedaço de terra que a corda lhe permite alcançar, dependente da comida que lhe queiram dar.

Um guarda florestal à paisana conta-nos a história, sob anonimato, por cautela, pois há noção de que o assunto é sensível, mas sem se saber bem até que ponto.

“A nossa gente encontrou pessoas que iam vendê-la”. O animal acabou por ser confiscado, mas sem mais averiguações.

“Não temos informação correta de quem capturou a chimpanzé. Estamos sempre aqui à espera de informação correta para informar a Direção-Geral de Florestas”, referiu o guarda.

Mas falta quem saiba o que fazer. Em Bissau, questionado sobre o caso de Bela, Fai Djedjó, diretor dos Serviços de Fauna Silvestre da Guiné-Bissau, que tutelam estas matérias, limita-se a sorrir e a abanar a cabeça.

“Não tenho nada a dizer”, refere, num gabinete minúsculo, num edifício degradado e por vezes sem eletricidade, que revela uma enorme falta de meios para desempenhar qualquer tarefa, por mais básica que seja.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here