Início Mundo Timor Participação democrática não se mede pela quantidade de partidos – Xanana

Participação democrática não se mede pela quantidade de partidos – Xanana

670
0

O líder histórico timorense Xanana Gusmão disse hoje que a participação democrática não se mede pela quantidade de partidos no Parlamento considerando que os consensos dos últimos cinco anos deram a Timor-Leste mais estabilidade e confiança.

Em entrevista à Lusa em Pequim, em jeito de balanço sobre o último período de governação – e quando já se pensa nas legislativas de 22 de julho -, Xanana Gusmão disse que entre 2012 e 2017 Timor-Leste começou a ver “estabilidade” e “maior confiança por parte da população”.

Foi possível, disse, encontrar “um processo de maior consenso do povo sobre uma visão, um programa para o futuro”, essencial num país onde as estratégias têm que ser definidas a mais longo prazo, não apenas para a duração dos mandatos governativos.

Publicidade

“Um país desenvolvido, de cinco em cinco anos, ou de quatro em quatro anos, tem programas específicos, segundo as necessidades para aquele período. Nós não. Ainda é um processo muito longo. Fazemos as alianças necessárias, no ensaio”, disse à Lusa em Pequim.

O líder timorense recordou as dificuldades do arranque da independência do país onde se vivia com “impreparação política”, a “inexperiência da governação” e a “fraqueza das instituições do Estado”, com uma luta de 24 anos em que os timorenses não puderam preparar-se para “depois da vitória tomar conta das rédeas do país.

O país viveu o seu momento mais complicado em 2006 quando quase se chegou à guerra civil, deixando dezenas de milhares de deslocados internos e graves problemas políticos e de segurança, que obrigaram ao regresso de forças de segurança internacionais.

Em 2007 a Fretilin (Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente), “o partido vencedor, não conseguiu alianças, porque outros partidos não cederam”, pelo que o CNRT (Conselho Nacional de Resistência Timorense) de Xanana Gusmão, “como segundo partido na ocasião”, conseguiu uma aliança para ter maioria parlamentar e assumir o Governo.

“Hoje, tenho a certeza que cada partido já tem um princípio muito sagrado. Cada partido tem o seu próprio interesse, mas acima do interesse de um partido ou dos interesses de todos os partidos, está o interesse nacional, em várias perspetivas, perspetivas de segurança, sociais”, afirmou.

Sobre os próximos cinco anos Xanana Gusmão diz que “o povo é quem escolhe” e que os líderes estarão prontos “para o resultado das eleições”.

Ainda assim disse que, em muitos aspetos, há ainda algumas posições “imaturas” sobre o que é a “participação democrática”.

“Como não temos nada ainda maduro, tudo é imaturo, está-se a maturar a ideia de que a participação democrática se mede pela quantidade de partidos, hoje temos 35. Se cada um mandasse um representante, o parlamento teria os partidos todos representados. Leva tempo, mas o resultado é que dirá”, considerou.

Instado a avaliar o mandato do Presidente Taur Matan Ruak, que termina à meia-noite de 19 de maio, Xanana Gusmão disse que “como ministro” só faz avaliação aos seus subordinados” não estando “num papel ideal para fazer avaliações a órgãos de soberania”.

“Os órgãos de soberania têm um programa concreto de encontros semanais. Eles é que se conhecem, eles é que falam sobre problemas. Eu estou um bocado desligado do dia-a-dia dos assuntos no país”, considerou.

“Estou virado para as negociações das fronteiras marítimas. Portanto, os assuntos da terra, ficam eles lá a ver. Eu tomo conta do mar”, ironizou.

Além de manter encontros com as autoridades chinesas, Xanana Gusmão recebeu durante a sua visita à China um doutoramento ‘Honoris Causa’ pela Universidade de Hunan, no centro do país.

Participou ainda numa cerimónia na capital chinesa que assinalou os 15 anos de relações diplomáticas entre Timor-Leste e a China.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.