Início Atualidade Moção de rejeição PSD/CDS comprova sustentabilidade do executivo

Moção de rejeição PSD/CDS comprova sustentabilidade do executivo

1217
0

Lisboa, 03 dez (Lusa) – O PS defendeu hoje que a moção de rejeição do PSD e CDS ao Governo comprovará a sustentabilidade do executivo socialista e apontou que Paulo Portas lidera um partido que desconhece a sua real representatividade política.

Estas posições foram transmitidas aos jornalistas pelo líder da bancada socialista, Carlos César, depois de confrontado com o teor da moção de rejeição que será apresentado por PSD e CDS ao programa do XXI Governo Constitucional.

“Rejeitando este programa de Governo, a direita terá a resposta, que é a da confirmação da conjugação de esforços e da conjugação política, e da sustentabilidade do atual Governo, que hoje passa a ser de pleno direito”, sustentou o presidente do Grupo Parlamentar do PS.

Publicidade

Carlos César defendeu que “a direita” concebe um Governo formado na Assembleia da República como algo de ilegítimo – perspetiva que configura “uma desvalorização da democracia representativa e que assenta também numa ideia enciumada e agastada da vida política”.

“A direita não tolera a ideia de não ser poder seja em que circunstância for, mesmo quando é comprovadamente minoria no parlamento. A direita tem de se habituar a essa ideia de que agora é minoria”, sugeriu o ex-presidente do Governo Regional dos Açores.

Interrogado sobre as críticas feitas pelo presidente do CDS-PP ao PS, por alegadamente se encontrar “refém” do PCP, Carlos César procurou desvalorizá-las, caraterizando Paulo Portas como “um contorcionista político”.

“Nesta fase do processo político, Paulo Portas parece estar a andar para a frente olhando para trás e não compreendeu que a realidade política mudou e que a realidade eleitoral e parlamentar também mudaram”, disse.

Carlos César lançou depois dúvidas sobre a real representatividade do CDS-PP na sociedade portuguesa, depois de ter concorrido coligado com o PSD nas últimas eleições legislativas.

“Paulo Portas não se apercebeu que o CDS-PP é hoje um partido político que não está sufragado. Ninguém sabe o que representa e suspeita-se até que represente muito pouco”, referiu.

Para o presidente do Grupo Parlamentar do PS, o ex-vice-primeiro-ministro também se “esqueceu que a coligação PSD/CDS perdeu mais votos nas últimas eleições do que alguma vez os votos que o CDS obteve” na História da democracia portuguesa.

“Paulo Portas está enganado quando diz que o PS está nas mãos do PCP. Isso só acontece porque ele tem da política uma ideia lúdica, de jogatana. Porventura pensa que, tal como tentou que o PSD estivesse nas mãos dele, agora o PS também ficaria nas mãos do PCP”, apontou ainda.

Carlos César contrapôs a seguir que, entre PS, PCP e Bloco de Esquerda a relação política é distinta:

“Não nos anulamos uns aos outros e não nos combatemos uns aos outros, precisamente ao contrário daquilo que aconteceu nos últimos quatro anos, quando o país foi tomado por uma crise súbita a seguir à tentativa de Paulo Portas de tornar o PSD refém da situação minoritária do CDS. Esta situação não é reproduzível sempre e Paulo Portas não pode ver nos outros aquilo que vê no espelho quando se olha”, acrescentou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.