Início Sci-Tech Ciência Ministro Manuel Heitor promete rever critérios de avaliação do sistema científico

Ministro Manuel Heitor promete rever critérios de avaliação do sistema científico

1160
0

Lisboa, 03 dez (Lusa) – O ministro da Ciência e do Ensino Superior afirmou hoje que terá como prioridade inverter o caminho dos últimos anos de “seletividade” no acesso ao conhecimento e de “adulteração” dos critérios de avaliação dos centros de investigação.

Manuel Heitor falava no segundo e último dia do debate do programa do XXI Governo Constitucional na Assembleia da República, num discurso que foi globalmente apoiado pelas bancadas da esquerda parlamentar.

O membro do executivo criticou as políticas seguidas pelo Governo PSD/CDS-PP, considerando que estiveram “fundadas no preconceito e na ignorância” e que importa agora “retomar uma perspetiva de democratização do acesso ao conhecimento científico” e uma aposta no emprego jovem científico.

Publicidade

A única intervenção crítica ao seu discurso partiu da deputada do PSD Nilza Sena, que acusou Manuel Heitor, enquanto secretário de Estado do Ensino Superior dos executivos liderados por José Sócrates, de ter deixado por pagar muitos contratos.

“O senhor ministro tem agora de fazer prova de vida”, advertiu a dirigente social-democrata, com Manuel Heitor a fazer depois um apelo à cordialidade no debate político.

“Entendo que as políticas do Governo de direita foram contrárias à ciência. Mas também considero que os eleitores de direita querem mais e melhor ciência em Portugal”, reagiu o membro do Governo.

Pela parte do Bloco de Esquerda, o deputado Luís Monteiro acusou o anterior Governo de ter provocado que “cinco mil estudantes” abandonassem o Ensino Superior nos últimos anos, enquanto Joana Mortágua defendeu que a “precariedade domina no tecido científico” nacional.

“O anterior Governo optou pela destruição das ciências humanas e sociais. Tem de haver justiça e previsibilidade na atribuição de bolsas”, declarou ainda Joana Mortágua, com o ministro Manuel Heitor a completar que “a ciência não pode ser exclusivamente encarada como um fator da política económica”.

Pela parte do PCP, o deputado Miguel Tiago criticou os “sucessivos cortes no investimento público promovido pelo anterior Governo, que em boa hora foi corrido pela luta e pelo voto dos portugueses”.

Miguel Tiago insurgiu-se ainda contra “o subfinanciamento do Ensino Superior público e dos laboratórios do Estado”.

“Também a política de contratação pública tem de ser alvo de uma mudança”, declarou o deputado do PCP, dirigindo-se á bancada do executivo, antes de a deputada de “os Verdes” Heloísa Apolónia ter lamentado que Portugal “seja o segundo país da União Europeia com as propinas mais elevadas logo após o Reino Unido”.

“Isto tem de nos fazer pensar”, advertiu a deputada ecologista.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.