Início Política Partidos políticos CDS diz que executivo é “projeto radical social-comunista” com “tralha socrática”

CDS diz que executivo é “projeto radical social-comunista” com “tralha socrática”

1339
0

Lisboa, 03 dez (Lusa) – O vice-presidente da bancada do CDS-PP Telmo Correia defendeu hoje que o Governo liderado por António Costa, “além da tralha socrática” caracteriza-se por ser “um projeto radical social-comunista”.

“Para além da tralha socrática, o que temos é um Governo social-comunista. Nós governámos ao centro, fizemos campanha eleitoral ao centro, ganhámos as eleições ao centro e é ao centro que seremos oposição a este projeto radical social-comunista”, declarou Telmo Correia.

Telmo Correia justificou a apresentação de uma moção de rejeição pelo PSD e CDS e argumentou que PCP e BE não mudaram e que foi o PS quem se radicalizou, usando as palavras do primeiro-ministro, António Costa, segundo o qual o acordo com aqueles partidos fez cair um muro como 40 anos.

Publicidade

“Não caiu muro nenhum, o muro ideológico está lá, tão sólido como sempre, o muro não caiu, o que caiu foi o PS para o outro lado do muro. E é por isso que a apresentação [da moção de rejeição] é uma decorrência lógica da nossa posição política””, afirmou.

Além de considerar que se trata de uma solução ilegítima, de discordar das suas opções e defender que o Programa de Governo “contém um risco sério para Portugal”, Telmo Correia lembrou que, sem a moção de rejeição ele não seria votado.

“E uma vez que o senhor primeiro-ministro não teve a coragem de apresentar uma moção de confiança, ele não seria sequer votado. Por isso, a moção de rejeição é um exercício de transparência e de clareza política. Contrasta com os vossos acordos separados e à porta fechada”, argumentou.

Tal como o líder do CDS-PP, Paulo Portas, e o presidente da bancada, Nuno Magalhães, haviam feito durante o debate do Programa do XXI Governo Constitucional, também Telmo Correia iniciou a sua intervenção de encerramento dirigindo-se a António Costa como “primeiro-ministro não-eleito”.

Telmo Correia revisitou um confronto parlamentar com António Costa em 2002 em que o atual primeiro-ministro se referia ao CDS como um banquinho que o PSD usa para ficar mais alto e adaptou a imagem às atuais circunstâncias.

Agora, afirmou deputado centrista há “dois banquinhos, um deles com uma perna falsa, separados entre si, e o primeiro-ministro de agora, muito mais pequenino do que o primeiro-ministro da altura, [está] numa jigajoga a ver se se equilibra a qualquer custo””.

Telmo Correia usou a intervenção no encerramento do debate do Programa de Governo para, mais uma vez, reiterar que o CDS não ajudará no futuro o PS se este vier a precisar.

“Desenganem-se. Os senhores escolheram o rumo, escolheram os vossos ‘compagons de route’, o trajeto e a velocidade. Boa viagem, que não haja acidentes, até porque os vossos acidentes e as vossas imprudências, normalmente, quem tem de as pagar são os portugueses”, afirmou, recusando que os centristas sejam responsabilizados pelas opções deste executivo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.